Elevate.Your.Spirit

Implante que acabei de fazer em meu grande amigo Max na Loja Efeito aqui em Umuarama/sp, onde estou passando uma temporada trabalhando.
Passar esses dias aqui junto a ele, meu grande amigo Leandro Corpo Estranho e meu novo amigo Samme tem sido muito bom, despertou o espirito que a algum tempo estava meio adormecido em mim.
bom, parece que mais coisas irão rolar até domingo aqui, portanto esperem por mais posts durante essa semana.

Ver o post original

Ataques pelo mundo – Rolf Buchholz – Berlim – Alemanha

Rolf?
Como assim?
O Homem com mais piercings do mundo. Aquele que está no Guinness.
Quando soube pela Evgeniya que ele poderia participar, fiquei muito impressionado e empolgado.
Lembra que falei que a Evgeniya neste post: Clica

Cara, até um dos nomes mais fotes em nossa comunidade fazendo a parada. Precisa falar alguma coisa?

Para saber sobre os piercings e ver uma galeria de fotos: http://aeiou.expresso.pt/rolf-o-homem-com-mais-piercings-em-todo-o-mundo-fotogaleria=f683053

Sobre o ataque, roulou dia 23/01 a meia-noite em Berlim, no local privado de suspensão de Kukulcán Riruals (Beto Rea)
Rolf soube do projeto atravez do Facebook e decidiu apoiar, lá da Alemanha.
Marcou o local e data entrando em contato com o pessoal da Kukulca. Rolou um coma, lindo, com uns frame muito legal, realizado po Kukulcan e Filip Pericleous. Como foi uma suspensão privada, não rolaram pessoas assistindo, mas as fotos me provocaram uma sensação incrivel. Rolf disse que gostou do projeto pois reuniu as pessoas.
Fotos?

A forma correta de lavar as mãos um estúdio de piercing e tatuagem – e sua importancia

Originalmente publicado em http://bananapiercer.wordpress.com

Obrigado Banana por sempre colaborar com o conhecimento e crescimento de toda a comunidade de body piercers da América Latina.
Estudando e repassando a todos o que aprende.

Lavagem de mãos em estúdios de piercings e/ou tatuagems.

Nota do Max:
Video da Anvisa sobre Higienização das mãos (é um pouco longo, mas vale a pena ver):

Achei este video interessante por que tem uma ilustração que mostra as áres retentivas de sujidade:

Existem algumas áreas das mãos que as vezes esquecemos de lavar, se não nos atentamos para a técnica correta, apenas a titulo de curiosidade (uma vez que vamos adotar a técinca correta em nossos estudios), segue uma ilustração das areas normalmente esquecidas:

Fim da nota

Ultimamente são lançados muitos produtos para previnir a contaminação cruzada, respingos ou para cumprir cada dia melhor as precauções padrões com sangue e/ou fluidos corporais. Entretanto, até o dia de hoje, a simples lavagem de mãos segue sendo a mais basica e efetiva forma de prevenir infecções.

Muitas vezes esta norma “basica” é negligenciada, tanto nas melhores clinicas, restaurantes, o que se reflete também nos estúdios de body art. A lavagem minuciosa das mãos é tão importante antes do procedimento quanto o que é realizado pelo cliente ou usuario de piercings ou tatuagens, antes de limpar ou manipular sua tatuagem ou jóia. É incontavel o numero de pessoas que dia-a-dia se expõem a grandes riscos realizando perfurações ou tatuagens em lojas improvisadas ou sem as instalações basicas de agua potavel. Todo tipo de pratica que tenha contato com sangue siguinifica um risco tanto para quem recebe o procedimento como para quem o executa. Neste artigo mencionarei como eu aplico em meu estúdio as técnicas de lavagem de mãos e mostrarei a evidencia do real risco de contrair infecções se alguem não realiza esta técnica tão basica. Antes de mais nada existem três tipos de lavagem de mãos:

Lavagem doméstica das mãos
: É a técnica que se realiza comumente em casa, com sabão comum.

Lavagem clinica de mãos
: Lavagem para atendimento a pacientes com sabão antiséptico.

Lavagem cirurgica de mãos
: Realizada em ambiente cirurgico até os cotovelos com sabonete antiséptico.

Em um estúdio de body art pode-se utilizar as três técnicas, em ocasiões diferentes, mas a Lavagem Clinica deve ser a mais comum em nosso trabalho, então vou me referir a esta em particular.
Esta lavagem deve ocorrer no minimo nestas ocasiões:

  • Ao chegar ao estúdio
  • Antes de atender a cada cliente
  • Depois de atender a cada cliente
  • Depois de lavar material contaminado
  • Depois de limpar o estúdio e/ou tirar o lixo
  • Antes de ir embora do estúdio
  • Imediatamente depois de haver lavado as mãos, se se contaminar com algum objeto sujo.
  • Antes de ir comer
  • Depois de ir ao banheiro
  • Antes de colocar as luvas
  • Depois de tirar as luvas“Pessoalmente não creio que seja nescessario citar que se vai ao banheiro ou almoçar deve lavar as mãos, isto deveriam ter te ensinado muitos anos atras” Sobre higiene das mãos.

Não se deve estar com anéis, relógios, pulseiras, unhas compridas, nem nada que tem impeça a correta lavagem das mãos;
[ Nota do Max se você usa uma pulseira, um anel, um relógio, o que for… Não custa NADA, tirar durante o trabalho e depois colocar. Seu relógio é util para que não se perca nas horas? Mais util ainda para o seu cliente é que você não o contamine. Sua pulseira ou anél é bonito? Mais bonito ainda érealizar um procedimento seguro.
E não, definitivamente não, a luva não cobre seu anel, sua pulseira, seu relógio… E embaixo deles estão focos de bactérias e afins, um gesto simples, que não custa nada, mas que vale muito é tirar estes acessórios antes de lavar as mãos e só voltar a coloca-los depois do procedimento ]; as mangas de sua roupa devem estar acima dos cotovelos idealmente. Nos Chile, as normas dizem que o sabão deve permanecer fazendo efeito nas mãos durante 15 a 30 segundos. Isto pode variar entre os fabricantes do sabão.

*A presença de dermatites, féridas, punções, perfurações, tatuagens, modificações corporais ou qualquer tipo de ferida, deveria seu motivo suficiente para que um profissional deixe de trabalhar por um tempo e não realize técnicas invasivas ao menos até que a pele esteja recuperada.

Técnica:
– Molhar primeiro as mãos e antebraços com agua fria ou morna
– Aplicar a quantidade de sabão recomendada pelo fabricante
– Friccionar vigorosamente ambas as mãos cobrindo toda a superficie, dedos, espaços interdigitais e especialmente a parte das unhas (podemos ir até abaixo do punho ou ao antebraço, dependendo do motivo da lavagem)
– Enxaguar as mãos, Sempre partindo da ponta dos dedos e depois os antebraços em agua corrente.
– Secar com papel toalha descartavel primeiro as mãos, depois os antebraços. (Nunca toalha de pano reutilizavel)
– Usar a toalha para fechar a torneira e descarta-la em lixeira com tampa e pedal ou qualquer mecanismo que abra o lixeiro sem ter que toca-lo com as mãos.

[ Nota do Max
Ao final deste artigo, imprima este manual, e cole em frente a pia do seu estúdio. Vai te ajudar a sempre se lembrar destas técnicas:

É muito recomendavel ter outro dispensador com alcool gel. (Existem dispenadores laser, ideais para isto). Se já tiver lavado as mãos e sem querer tocou em algo “sem sjua-las”, pode usar esta solução. Se as sujar, deve voltar ao começo. (Este passo só se recomenda em caso de contaminação teórica, se é uma contaminação evidente ou visivel, é essencial lavar novamente as mãos)

*Tambem é muito recomendavel ter um bom creme ou loção hidratante para nossas queridas mãos, pois a recorrente lavagem de mãos pode resseca-las e irrita-las muito facilmente. Esté é um processo simples que pode fazer uma grande diferença em nosso trabalho, e cuidar dos nossos clientes, familia e sobretudo de nós mesmos, ante microorganismos realmente perigosos.
Hoje, no Chile, nossos inimigo mais perigoso são os vírus da Hepatitbe B e C; os quais muito facilmente pode aproximar de você usando uma maquina fotografica, pegando algo que faltava, bebendo em um copo (muito comum em convenções), ao tocar seus moveis, mesa ou o que seja, com as luvas sujas (o que vergonhosamente é muito comum). Seja inteligente! Troque suas luvas quantas vezes seja necessario! E Lembre-se sempre! “O uso de luvas não retira a obrigação de lavar as mãos”

Estufas não esterelizam, mas cultiva bactérias!

A seguir lhes deixo uma informação muito interessante a respeito de lavagem de mãos, estas fotos foram tiradas em um laboratório, sob supervizão pelo técnologo médico, Víctor Hugo Pulido, professor de microbiologia.

A amostra numero 1 foi coletada das minhas mão aparentemente limpas, mas sem ter lavado, em um meio de cultivo estéril, feito de globulos vermelhos humanos. (placa de ágar com eritrócitos)

       

Apoiei 4 dos meus dedos de frente, sem apoiar o mindinho de forma que a ponta dos dedos e a unha tocassem o meio de cultivo.

A amostra numero 2 foi timada depois de ter lavado minhas mãos com sabão antiséptico durante quase 3 minutos e a mostra se tomou da mesma forma.
Lembre-se que a técnica segundo a norma são 30 segundos, neste caso exageramos o tempo de lavagem aproximadamente 6 vezes.

Em ambas amostras foi realizado o cultivo a 37°c (similar a temperatura humana 36,5°c) durante 24h.
O cultivo foi feito em uma estufa.
Lembramos que a estufa está obsoleta, pois não serve para esterilizar, mas serve para cultivar bactérias. Ironico, não?


O resultado foi muito diferente do que eu esperava.

Resultado numero 1
O cultivo foi altamente colonizado por bactérias, justamente na área onde apoiei meus de.

Resultado numero 2
O cultivo foi consideravelmente menos colonizado que o anterior, entretanto, não foi nulo. As colonias se localizaram pricipalmente nas unhas.

Alguem poderia pensar “as manchas brancas são as bactérias”… Lamentavelmente não. Cada mancha com forma de bolha branca é uma colonia com centenas de milhares de bactérias!!!
COm a interrogação sobre a quantidade aproximada de bactérias que estavam presentes e ativas no resultado 2 (mãos lavadas, supostamente limpas) tomamos uma mostra da menor e mais isolada colonia, na foto se vê como uma bolha branca no meio do cultivo vermelho. Foi realizado um processo de diluição da amostra em soro fisiologico e posterior tingimento, processo mediante o qual podemos tingir as membranas plasmaticas ou parede celular das células procariontes, para assim, observa-las melhor em um microscópio

     

E o resultado???


cada forma esférica vermelha corresponde a uma bactéria. Imagina que pode conta-las?
Consegue imaginar o resultado do cultivo em que não havia lavado as mãos?

Aqui está a parte mais isolada para melhor visualização

Aqui observamos uma área muito longe da zona principal da mostra, aqui podemos ver melhor as bactérias e distingui-las inclusive conta-las.
Cada uma dessas esferas, de cor avermelhada é uma bactéria, muito provavelmente do tipo Staphylococcus epidermidis. (Essas bactérias são do tipo gran-positivo, as quias se tingem com a cor roxa, o produto quimico utilizado para o tingimento tempo muito aberto e estava muito diluido, por isto, estão mais avermelhadas). Estas bactérias do tipo Stapylococcus tem a forma (como cocos), são gram-positivos. Vivem normalmente na pele de humanos e animais. São microorganismos que podemos encontrar em uma porcentagem elevada de alimentos.
Muitas vezes são causadores de infecções em piercing, cateters venosos, tatuagens, suturas e feridas de todo tipo.
Quando a infecção é causada por má pratica, ou contaminada em seu processo de cicatrização. Apesar de não ser das mais graves infecções, são 100% evitaveis com uma excelente lavagem de mãos, unhas curtas e boa postura com relação ao uso das luvas. Quer sejam estéreis ou de procedimento ( Temos aqui a importancia de saber como calçar uma luva)
E extreamente importante: A lavagem de mãos doméstica, antes de qualquer tipo de contato com o piercing ou tatuagem cicatrizando. Se o cliente não realiza exaustivamente a lavagem das mãos, antes da cicatrização, muito provavelmente,  provocará a sí mesmo umaindesejavel infecção!! E aqui está a importancia de educarmos nossos clientes, tanto na lavagem de mãos, como nos cuidados adotados para a cicatrização da tatuagem ou piercing
***Foram encontrados e isolados estes tipos de microorganismos em proteses osseas, implantes cirurgicos, realizados em clinicas de alto nivel. Por isto, podemos concluir que este problema é tão comum em estudios de tatuagem quanto na area medica.
***Para concluir, devemos executar com perfeição a técnica de lavagem de mãos, realiza-la quantas vezes seja nescessario e cuidar de nossas mãos pois é nossa principal ferramenta!!!


(Foto em microscópio eletronico de Staphylococcus epidermidis.)

Agradecimientos al Tecnologo Médico, don Victor Hugo Pulido x la clase de Microbiologia. Texto : Mauricio Torres “Banana Piercer” Extigma Body Art – Copiapó – Chile

http://bananapiercer.wordpress.com
http://www.extigma.cl

Obrigado Banana, seguimos juntos.

Allen Falkner – O pai da suspensão moderna

Originalmente publicado em http://frrrkguys.com/interview-with-allen-falkner/ onde está também a versão em Inglês.
Obrigado ao amigo Thiago Soares (T.Angel) que gentilmente permitiu a veiculação do material neste blog.

Quem tá afim de crescer, de dividir, tá junto

Pros espiritos pequenos:
Como diz o Criolo
“Você me odeia por que eu não me sujeitei a você”

Bóra falar de quem manja. De quem entende. De quem tem autoridade (e não foi autoimposta…) pra falar.

Eu admiro muito um trampo em especial do Falkner. Foi uma das coisas que mais me inspiraram para a suspensão.

Quando eu vi este video, e era um magico, um cara que tinha estudado, que fazia mais coisas alem disto… Não era um cara todo tatuado, sem uma orelha, com implantes… Enfim, não era um “freak”… Fazendo isto, eu era novo, ainda não envolvido com estas coisas, pensei “Se isto é possivel para uma pessoa normal(?), eu posso um dia fazer…”

Bom dia, paz e respeito a todos…

Aqui começa o texto do Thiago, antes eu estava viajando…

INTRODUÇÃO:
Reflexões acerca da suspensão corporal contemporânea nos encaminham automaticamente à Allen Falkner, conhecido como o pai da suspensão moderna.
Foram horas estudando sua trajetória, foram dias esperando cada resposta e é com muito orgulho, admiração e respeito que trazemos para vocês uma entrevista exclusiva com um dos principais nomes da suspensão corporal do mundo!

T. Angel: Entre as principais influências em seu trabalho estão o livro “Modern Primitive” (1986) e os artistas, Stelarc e Fakir Musafar. Algum outro nome poderia ser acrescentado nessa lista?
Allen Falkner: Claro, eu sempre posso adicionar nomes à lista, mas penso que o mais importante destes é Jim Ward, fundador da Gauntlet. Sem suas contribuições para a indústria do piercing, a modificação corporal como conhecemos, seria muito diferente e minha vida nunca seria o que é hoje.

T. Angel: Você disse que a sua primeira suspensão (um coma, 1992) foi muito traumática. Qual o tempo pra você se sentir preparado para uma segunda tentativa? Conte-nos um pouco sobre este processo e como foi a segunda experiência.
Allen Falkner: Após a minha primeira suspensão, eu realmente não estava certo se eu queria me pendurar de novo. Acho que minha motivação teve mais a ver com tentar descobrir o que ocorreu errado, do que um desejo real de ser suspenso. Antes de tentar minha segunda suspensão, eu experimentei pulls e flesh ripping (rasgar carne). Fiquei muito surpreso com a quantidade de peso que a pele poderia aguentar e também com a quantidade de tensão que eu poderia colocar em um único gancho por puxar lentamente e fazer pressão.
Uma vez que chegou a hora de fazer a segunda suspensão eu estava muito mais preparado, não só mentalmente, mas a nossa técnica e processos tinham avançados dramaticamente.

T. Angel: Em 1993 você começa a suspender pessoas. Poderia descrever a sensação da primeira vez?
Allen Falkner: Eu acho que a melhor palavra pra descrever minha experiência é, despreparado. Não tinha idéia do que eu estava fazendo e somente as mais rudimentares habilidades com suspensão, se é que você pode mesmo chamar assim. A primeira pessoa que eu pendurei foi meu companheiro de quarto, Ron (aka Spoony). Usamos minúsculos anzóis (fishhooks), provavelmente não muito maior do que 16 gauge (1.2 mm), e usamos um monte deles. Acredito que pelo menos 30 anzóis. A suspensão foi bem com apenas alguns problemas. Acho que a melhor maneira de descrever a experiência foi: emocionante e assustadora.

T. Angel: Em 2001 você tinha 30% do seu corpo tatuado, 8 anos depois ainda tem algum espaço?
Allen Falkner: Em 2001 eu tinha tatuado minhas costas inteira, braço direito, laterais e meu abdômen. Agora eu tenho meu braço esquerdo, peito, minhas axilas e alguns outros poucos locais, lado esquerdo do pescoço, partes das minhas mãos, uma peça no escroto, mas minhas pernas e bunda ainda estão descobertas. Creio que tenho aproximadamente 50% do corpo coberto. Um dia (em breve) vou começar com as minhas pernas, mas eu ainda tenho que mapeá-las e quero peças bem feitas. Então, estou tendo o meu tempo e quando for a hora certa, vou começar tatuá-las.

T. Angel: Você se tornou um grande especialista em piercing genital masculino através do seu contato com a comunidade homossexual. Onde e quando foi isso exatamente?
Allen Falkner: Eu abri minha primeira loja Obscurities em 1992. Vendi a loja em 2007, mas isso é uma outra história, todas juntas. Dois velhos amigos meus Jenneane e Buddy eram proprietários de uma loja de roupas vintage no coração da comunidade gay. Eles tinham uma sala nos fundos que não usavam, então alugaram pra mim, para a loja. Na época eu sabia muito pouco sobre a comunidade, mas sou mente aberta e todos foram super amigáveis. Não foi muito antes da mania do piercing estourar e eu estava incrivelmente ocupado. Além de todos os gays que estavam entrando para fazer piercing genitais, muitas das outras lojas da cidade estavam recusando fazer genitais masculinos e elas frequentemente enviavam para mim. De repente eu me tornei o “vá no cara” para ter seu pênis perfurado!
Foi bastante divertido, mas eu costumava dizer às pessoas o tempo todo, “eu sou dono de um negócio bem sucedido na área gay e lésbica. Tenho centenas, talvez milhares de fãs gays do sexo masculino. Eu manipulo pintos o dia inteiro no trabalho. Se eu fosse gay, minha vida seria perfeita.”

T. Angel: Sabemos que você já esteve no Brasil, conte pra gente como foi sua experiência aqui?
Allen Falkner: Minha mãe é brasileira, então Rio e São Paulo são meus lares distantes de casa. Eu fui somente duas vezes, mas eu adoro o Brasil. Houve uma época em que eu estava procurando pela dupla cidadania e pensando sobre tentar trabalhar ai. Minha idéia era a de trabalhar 6 meses nos USA, em seguida, 6 meses no Brasil, assim eu poderia ter um verão interminável. Infelizmente, isso simplesmente não deu certo. E ainda, meu português que é terrível. Entendo muito pouco hoje em dia e falo menos ainda. Mas, em resposta à sua pergunta inicial, eu amo o Brasil e espero voltar novamente algum dia.

T. Angel: Hoje temos um grande número de pessoas fazendo suspensão e por várias razões possíveis. Qual é a sua concepção acerca da cena atual da suspensão?
Allen Falkner: A suspensão tem crescido em todo o mundo, mas infelizmente a maioria das pessoas não tem qualquer formação. Felizmente, isso está começando a mudar. Mais e mais eu vejo pessoas que vêm em conjunto formando grupos, e esses grupos estão começando a viajar para trabalhar com outras pessoas para melhorar as suas competências. Eu ainda acho que a comunidade da suspensão precisa de mais instrução e melhores equipamentos. Além disso, precisamos trabalhar juntos. As pessoas no mundo da body mod frequentemente trabalham sozinhas. Isto precisa mudar. Quanto mais trabalhamos uns com os outros, mais se aprende e, finalmente, a nossa arte torna-se mais segura.
T. Angel: Como está o seu trabalho com o TSD?
Allen Falkner: Estes dias o meu foco principal é sobre o ensino e ajudar a comunidade. Ainda suspendo regularmente, mas estou basicamente aposentado de performar. Eu amo suspensão, mas estou ficando velho demais para me manter em shows malucos, vou deixar isso para a geração mais jovem.
Agora dedico a maior parte da minha energia para ajudar espalhar educação. Voltando em abril, eu organizei uma Suscon que foi concebida para os profissionais. Tivemos aulas sobre sutura, ensinadas por Brian Decker ou ROP grupo de suspensão. Uma apresentação de mesa redonda liderada por Steve Joyner do CoRE e Havve Fjell da Wings of Desire / Pain Solution. Nós ainda tivemos uma aula de ajustagem ensinada pelo armador do Cirque Du Soleil. Embora a Suscon tenha seus problemas, sinto que todos saíram da convenção com mais conhecimentos e uma melhor compreensão de uma suspensão segurança e dinâmica.

T. Angel: Você trabalha como piercer ainda?
Allen Falkner: Acho que ainda trabalho como piercer, mas já faz um tempo desde que eu tenha feito qualquer piercing. Quando eu vendi a minha loja em 2007, mudei o meu foco para remoção de tatuagem com laser: http://www.fadefast.com. Sei que isto pode parecer uma estranha transição, mas realmente não é. Agora eu trabalho com pessoas bastante tatuadas para clarear trabalhos existentes, para que possam ser recuperados com uma peça melhor. Não vejo lasers como anti-tatuagem. Vejo como o próximo passo lógico para melhorar as más tatuagens

T. Angel: Para você, qual é o futuro da suspensão?
Allen Falkner: Quem sabe o que o futuro reserva? Acho que a suspensão vai continuar a ganhar popularidade e a arte irá se tornar mais aceita pelas pessoas em geral.
Quanto a mim, quero me manter centrado na educação, na melhoria dos nossos equipamentos e o estabelecimento de melhores e seguros protocolos. A comunidade da suspensão está crescendo muito rápido, mas o nosso conhecimento parece não acompanhar junto e rápido o suficiente. O meu objetivo é o de ensinar e de aprender com tantos profissionais da suspensão possíveis. Se eu pudesse passar todo o meu tempo viajando e focando na suspensão eu faria. Talvez um dia eu possa me dar ao luxo de fazer isso.

T. Angel: Deixe uma mensagem para todas as pessoas que admiram o seu trabalho, especialmente para nós, brasileiros!
Allen Falkner: Se você estiver interessado em se envolver com suspensão faça sua pesquisa. Há uma grande quantidade de informações por aí e muitas pessoas que querem ajudá-lo. Não faça sozinho. Suspensão é uma atividade perigosa e só deve ser tentada sob a supervisão de profissionais treinados.
Contact:
www.allenfalkner.com
www.obscurephoto.com
www.suspension.org
www.fadefast.com

Open Hook Mafra SC – Rio Negro PR

A maioria das fotos deste post são da Mariana Lima.
Usei como referencia (já que não lembo dos detalhes…) o blog do Compadrito Anibal. Clica ai pra ver…
Que final de semana corrido.
Só consegui parar pra postar agora.
Sai de casa sexta feira, a caminho de Curitiba.
Cheguei lá as 6:30 da manhã, o Thiaguinho já me esperava junto com a Prii, pra darmos uma conferida em um local pra uma suspensão.
Cara, é do Caralho.
Fica a vontade, já que no dia estava chuviscando, e estavamos só os 3. Preferimos deixar pros proximos dias.

Tomamos café em uma padaria, e fui esperar a Samy na rodoviaria, logo, depois de algumas ligações, chegou o Toshiro

Toshiro, Samy e Max Rodoviaria de Curitiba a caminho de Mafra - SC ou Rio Negro - PR...

Logo chegaram a Mariana e o Anibal.
Lembrei que em cima da minha mesa, no escritorio da loja, tinha um saquinho, dentro deste saquinho, algumas apostilas. Apostilas estas, que seriam usadas no outro dia pra ministrar o workshop.
Por sorte o Anibal tinha uma cópia na bagagem.
Fui atras de xerocar…
Fomos no mercado municipal, que é ao lado da rodoviaria, enquanto deixei fazendo as copias, fomos comer. Toshiro e Samy estavam comigo.
Demora pra caramba pra xerocar e meu celular tocando o tempo todo… “O onibus está saindo… Vai te deixar…”
Correria.
Chegamos a um minuto de ficar pra trás…
Na viagem, foi bagunça o tempo todo. É rapida, como uma hora e meia ou duas de onibus.

Mariana Lima, Compadrito Anibal, Samy, Toshiro e Max

Chegando em Mafra, fomos recebidos pela Tatih, Alvaro, Marcelo, Debora e pelo pai da Tatih

Galera de Rio-Mafra + povo voador

E lá fomos nós pra chacara da Debora e do Marcelo, armar as barracas

E começar o primeiro modulo do workshop de suspensão

Ao ar livre, não estava tão calor. Foi uma delicia.
O pessoal super interessado…
Depois disto, comemos (eu nem lembrava que precisava comer, nem que as outras pessoas também precisavam…) A Debora, o Marcelo e seus amigos cuidaram dos rangos.
E organizações em geral.
Estava uma delicia.

E fomos pras suspensões, começou com a Samy, que estava MUITO empolgada e anciosa.
Mandou super bem no vôo.

Depois, o Toshiro subiu também, na posição Suicide.

Esse cara é uma figura que tão pra se inventar ainda…

Se tinhamos luz por ali, era graças ao Alvaro, que cuidou para que tudo saisse perfeito.

Depois desta suspensão fomos dar uma volta pra conhecer a cidade e dormir.
No outro dia pulei cedo.
Não tão cedo quanto acordo em Umuarama, mas tá valendo.
Tomamos café, uns sanduiches e café preto deliciosos preparados por Debora e o pessoal da Staff.. Palavra bonita.
Deu pra curtir um pouco a chacara, ver o Sol, os animais, as plantas…
Quem me conhece sabe que me amarro nisto.

Va Carneiro Ovelha - Vá carneiro, ovelha À tua raça À tua lã E ao teu clã serás fiel Vá carneiro ovelha, Ovelhas fiéis, fiéis Ovelhas fiéis Vá carneiro, ovelha.

Chegou o Thiaguinho, a Prii, a Vanessa, a Ana Clara e a Andrieli de carro, vindos de Curitiba.
A Pri já tratou de reuinir as meninas, maqui-las e emboneca-las pro dia que estava nos esperando.

Hora do Segundo Módulo do Workshop.

segundo dia do Workshop de suspensão corporal

Durou um bom tempo.
Enquanto isto, o pessoal que estava de boa cuidava dos detalhes de alimentação e montavam novamente o equipamento pra suspensão.
Posso dizer que TODAS as pessoas que estavam no evento ajudaram de alguma forma, uns na parte do organização, outros tirando gancho, limpando furo, tirando o ar, pegando material, abastecendo a bancada de trabalho, cuidando das fotos… Enfim, TODOS os que estavam lá colocaram a mão na massa. Dou muito valor pra isto.

Pelo que me lembro, almoçamos… Mas não tenho certeza.
Hora de começar a pendurar os amiguinhos.
(De agora em diante vou deixar a cargo da minha imagniçao lembrança. Se eu me desviar da verdade do que aconteceu lá, perdoem, é licença poética… ok?)

Começamos com o Thiaguinho.
Um Angel…
Logo ele desceu e mandou um suicide muito dos animados.

Logo na sequencia o suicide da Vanessa.
Menina de fibra.
Teve que escolher entre algumas coisas e a suspensão.
Penso que não pelo ato em si, mas pela própria evolução, abriu mão de certas comodidades e disse “Vou ser eu. Só pertenço a mim”…
FODA!

Na sequencia vez da Ana Clara.
Quando a Ana entrou em contato comigo pela primeira vez, pensei “lá vem mais uma que vai perguntar 3 dias e não vai colar nos eventos…”
Disse que era estudiosa, não tinha interesse em se suspender (se me lembro…) mas tinha curiosidade…
Mantemos contato durante algum tempo, eu falava sobre os eventos, mas rolava algum contratempo e ela não conseguia ir.
Desta vez, pensei “vou falar, por falar..”
E uns dias depois ela me perguntou “Suicide ou Superman”?
E eu “Mil vezes Superman”
Pensando que não iria…
O que?
Ela me fez engolir cada letra e segundo que eu pensei que não iria…

Olha esta foto

Cara, ela foi MUITO de boa pra passar os ganchos, equalizar as cordas e pra subir… E como subiu…

Ficou tão de boa, que seria capaz de ficar horas lá em cima, curtindo, se balançando…
Me deixou impressionado.
Subiu MUITO alto, e nem piscou…

Teve o Samme, que é quase Xará da Samy,
Este maluco mandou muito bem na suspensão, bonito foi que ele ficou meio assim “não sei se eu faço” ai, sem eu perceber, estava pendurado…



Hora da Andrieli subir, mó gente fina ela.
Foi a primeira pessoa a confirmar a inscrição pro evento, foi na confiança total, curto muito suspende-la.
Quando ela disse que queria um Lótus, ficamos todos contentes, pois esta suspensão é linda.
Compadrito Anibal mandando nas marcações e eu nos frames e cordas, como a maoria das suspensões que rolaram alí.

Kleber, namorado da Emily…
êêê casal pra gostar de perder ônibus.
Estavam saindo de Joinvile em direção ao evento, perderam 2, depois, na hora de voltar pra casa, sairam as 6 da manhã da chacara pra ir embora, cheguei na rodoviaria, meu ônibus era as 8, ainda estavam lá… “perdemos o busão…”
Inacreditavel.
Ah, quando fiz aquela suspensão em Barra do sul, em um barco de pesca de camarão e o resurrection da Emily ela também perdeu o ônibus pra chegar…
Olha ai os trampos que estou falando:
Chaves sobre as aguas

Suspensão Suicide sobre o mar em um barco de pesca de camarão - Chaves Rossoni - Barra do Sul Santa Catarina

Resurrection da Emily – ah, quando ela estava no ar, os carros passavam tão lentos pra ver que até acidente deu…

Voltando ao assunto…
Vamos falar primeiro do Gato Kleber.
Chegou na pegada de “vou fazer…”, “Não vou fazer…”, “Vou de Knee..” “Vou de Suicide…”
Até que eu.. “Vai te lascar. Quando souber como vai me fala”… ahuahauhauhauah
O cara subiu de Knee e deu um show.
Um detalhe importante, todos sabemos que esta modalidade de suspensão tem um historico relativamente extenso de acidentes devido ao rompimento da pele.
Os grupos internacionais de suspensão tem estudado muito com relação a forma de perfurar e de se evitar acidentes, por isto, recomenda-se o uso de “cadeirinha de rapel” nesta pratica.
Eu adotei esta ferramenta a algum tempo, quando comecei a trocar informações com o pessoal de técnicas verticais. Mas utilizava em suspensões mais Hards como esta no Helicoptero

E esta numa tirolesa

Fica o toque pros amigos que trabalham com suspensão, se for fazer knee, ou querem ter um quipamento a mais em suas maletas, esta é uma boa aquisição
Obrigado ao Grilo do Guia Vertical por me emprestar esta cadeirinha linda. Embora não tenha ocorrido nenhum contratempo em que ela fosse nescessaria, só a presença dela nos deu muita segurança.


Teve até o beijo-do-aranha

Já que tá no assunto, vou falar sobre a suspensão da Emily um crucifixo lindo.

Olha a cara de orgulho do namorado:

E Ele ajudou na perfuração

Devo ter baixado as fotos sem atenção.. Não encontrei as fotos dela suspensa só de suicide, depois que tiramos as cordas do gancho dos braços.

Na sequencia a Prii que estava em duvida se subia ou não e em que posição, acabou fazendo um crucifixo também.
Ow Pri, cada vez que te vejo aprendo uma coisa nova, um jeito novo de falar, vou me dar bem com a Lis com algumas coisas que aprendi com você. 🙂

Depois caiu de suicide e curtiu mais um pouquinho

Beijinho do amor depois do vôo

Nesta hora as pessoas começaram a perguntar “Max, você está cansado?”… “Max, você ja comeu?”…
E o pessoal (acho que eu também) dava sinais de cansaço.
Mas, tinhamos que suspender TODOS os que tinham vontade, afinal este evento se chama OPEN HOOK, e esta é a idéia.
Então, era a vez da Graça subir.
Graça, que eu conheci láaáááá no InterHook, nunca pensei que fosse se suspender.
Lá estava ela, pronta pra voar, dando asas da Fenix que tem nas costas.



Me surpreendeu também.

Hora da Mariana Lima, mulher do meu grande amigo Anibal e da Tatih, a organizadora do evento subirem.
Antes disto:
Meninas, vocês são foda.
Quando a Mari me falou da idéia de fazer algo em Mafra – Rio Negro, imaginei umas 2 suspensões.
Tatih, você está de parabéns, um dos melhores eventos que já trabalhei. O sorriso no rosto do pessoal o tempo todo, não faltou NADA.
Espero ser convidado nas proximas edições.

Lá vão as meninas pro ar.


E agora chegou a tão esperada vez de falar do Jardel – o Melhor Melhor do Mundo.
Cuidado. Se você for fraco de coração, cabeça ou espirito, não veja a foto deste cara, pode se apaixonar…
Mano, o cara é um profissional do caralho, as filhas dele são lindas, é carismatico e chegou, na manha e fez um “o kee pa”… (Suspensão pelo peito, já que não foi feita de acordo com os preceitos do ritual assim chamado)

Antes de seguir lendo, veja um video em que aparece uma alusão ao Jardel:

Se ainda achar seguro continuar lendo…

Lá vai:

Jardel estava sentado com a Samy limpando suas costas e preparando pra um suicide. Quando cheguei, o Samme (não a Samy – Porquinho da India), estava no maior papo com ele sobre mandar pelo peito e eu “Senta de frente ai nesta cadeira” Ele “Será?” E eu “Vira!” e assim foi.
Foi linda a suspensão…


Mamilo são um tanto quanto polemicos…


Acho que não esqueci de ninguem.
Usei as fotos que tinha na pasta onde comecei a baixar e não terminei.
Grande abraço a Mariana, Tatih, Anibal, Thiaguinho, Debora (que eu insitia em chamar de Marcela por causa do nome da filha), Marcelo – Um ork que gosta de musica sertaneja e chora ouvindo a história do “Nelore valente é o bezerrinho doente que o senhor mandou matar”, Ginho, esposa e filho, Andriéli, Vanessa, Ana, Prii, Ao rapaz que ajudava na cantina, Emily, Kleber, Jardel, Samy, Samme, Graça, Alvaro, Toshiro, ao Pai da Tatih e os pais da Debora, e todos os envolvidos direta ou indiretamente com este evento e com o Projeto Open Hook. Sem vocês, não seria.
Um grande abraço ao meu amigo e mestre Anibal, mais quando me ensina sobre lealdade e humildade que sobre biossegurança.

Uma das coisas positivas deste evento, foi perceber que cada vez mais pessoas estão abrindo a mente para a suspensão corporal. E não só pra ela, de que sou parte interessada, mas cada vez mais, as pessoas abrem as mentes para o novo, para o diferente…
As senhoras, mães, avós… Os pais da galera, familia, todos envolvidos.
As crianças pedindo pra subir “no balanço” com a cadeirinha, o pessoal que não subiu, no maximo respeito. Perguntando, tentando entender.
O pessoal que é envolvido, estudando, se interessando…

Tenho certeza que a suspensão corporal aqui no sul do Brasil deu mais um passo. Subiu mais um degrau.
Contem comigo.

 

Pra completar a saga, sai de Mafra as 8 da manhã, passando por Curitiba, fui visitar minha mãe.
Meu padrasto me pediu pra trazer um carro pra Umuarama. Vim morrendo de sono. Cheguei meia noite, morto de saudade da minha mulher, da minha filha em formato de barrigona e dos meus gatos.
Não vejo a hora de ver a cara da Lis.